Nossa história

Dona Maria do Carmo, mãe de 13 filhos, entre eles Felisbino, José Arlindo, Juventina e Marilda. Iniciou-se na mesa branca ao perceber que o filho mais velho com apenas quatro anos começou, de repente, a falar com voz muito grossa para a sua idade e com dialeto incompreensível. Buscou ajuda com quem entendia e podia auxiliá-la. Nesta época, residiam em Itatiaia. Já em São Paulo, onde nasceram seus 3 filhos mais novos – Ivan, Léa Mariza e Marilda – ela passou a frequentar as sessões de mesa branca no Bezerra de Menezes às segundas-feiras. Quando necessário, fazia também atendimentos em sua casa, auxiliando assim as pessoas que vinham em busca de ajuda.

Quando adultos cada qual seguiu o seu caminho. Porém, em meados 1959 Felisbino, José Arlindo e Juventina começaram a participar de sessões de Umbanda na casa doSenhor Baianinho e Dona Cândida, em Itatiba, todas as segundas-­‐feiras.

Passados alguns anos, morador do bairro da Casa Verde, José Arlindo estabeleceu junto com Aleixo uma sociedade na fabricação de bolinhas de Natal. O local era maior tendo espaço para a pequena indústria, para a moradia e também para o terreiro Casa de Caridade Pai João da Ronda, cujos trabalhos eram realizados às segundas-­‐feiras e aos sábados. A princípio, num pequeno cômodo dentro da casa, depois em uma construção maior e, mais tarde, em um local separado da casa no quintal.

José Arlindo conduziu os trabalhos e orientou os médiuns até seu desencarne em 1995, quando dona Maria Luiza (sua cunhada e então Yalorixá, Mãe Pequena) e Luiz (seu sobrinho Luiz, Babalorixá, Pai) tomaram à frente dos trabalhos.

Por volta de 2003, a Casa passou a atender no Parque Edu Chaves. Os trabalhos seguiram até o ano de 2014tendo como Pai o Sr. Luiz Carlos e como Mãe Pequena a Sra. Marilda.

Na época, a Casa contava com 30 médiuns e os trabalhos de atendimento eram realizados às quartas-­‐feiras, às 20hs, e aos sábados, às 15hs, sempre com a missão de ajudar aqueles que vão à procura de acalanto espiritual.

Há mais ou menos 10 anos, a Casa recebeu um convite do ABAÇAÍ para participar das atividades realizadas pelo projeto Revelando São Paulo, cuja importância maior é divulgar a paz e a cultura popular incluindo religião, danças, comidas e artesanato possibilitando a interligação dessas culturas e o respeito à diversidade sócio-­‐cultural.

Sua  participação  foi  com  a  apresentação  de  comida dos pretos-­‐velhos: feijoada, paçoca, caruru, comida de véi, quilombo e um suco energético feito com gengibre e outras especiarias.

Desde 2015 a casa encontra-se no bairro Parque Continental, em Guarulhos, com o mesmo objetivo de atendimento.Os trabalhos são realizados às segundas-feiras, às 18h, e aos sábados a partir das 17h. 

A Casa ainda realiza um trabalho social com intuito de ajudar algumas instituições de caridade, famílias desamparadas e pessoas em situação de rua distribuindo mensalmente marmitex, cestas básicas, materiais de higene pessoal, roupas e medicamentos.